Análise de Efésios 3.1-13

 
v.1

POR ESTA CAUSA
 ‘’Esta causa’’, na mente do apóstolo, encontra-se nos versículos 20 a 22 do capítulo anterior: os gentios estão sendo edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas. E Paulo, tendo sido chamado por Jesus Cristo para ser apóstolo, sente-se justamente como aquelas pedras colocadas sobre a pedra fundamental, constituindo a primeira fileira do alicerce da casa, dando assim a sua própria forma. É uma responsabilidade acima de qualquer outra dada aos homens. Cristo mesmo é o único fundamento do evangelho e da igreja; mas em cima deste fundamento, segundo 1Coríntios 3.10-11, estão colocados os profetas e apóstolos. São aqueles que, pela inspiração de Deus e por sua direção imediata, deram forma à igreja: sua doutrina, sua estrutura, seus alvos.  (Shedd)

→ Remete às verdades a respeito da unidade dos cristãos que Paulo havia acabado de discutir e introduz a razão de sua oração, a qual se inicia no versículo 14. (MacArthur)

SOU PRISIONEIRO DE CRISTO JESUS, POR AMOR DE VÓS
→ Devemos nos lembrar que somos chamados para ser fundamentos de outras pessoas, que serão ‘’construídas’’ por cima de nós. Paulo está lá em baixo, mas nós estamos aqui em cima; o prédio está subindo, e assim como nós dependemos de Paulo, colocado por Deus em baixo como nosso fundamento, há outras pessoas que estão dependendo e irão depender de nós; as ‘’pedras vivas’’ (1Pe 2:4) se assentam sobre outras pedras vivas.

→ Se alguém pensa que o ministério não terá sofrimento, que o chamado de Cristo é uma vida sem aflição, está, já de início, totalmente enganado. Paulo diz em Cl 1:14 que há um sofrimento alegre, isto é, um sofrimento que dá prazer sem ser masoquista: Agora me regozijo nos meus sofrimentos por vós; são crentes que estão sendo sustentados na vida, na intercessão, no ministério de ensino do apóstolo Paulo, e que preenchem ‘’o que resta das aflições de Cristo, a favor do seu corpo, que é a igreja’’.  Se você for chamado para o ministério de servir a outros, a diaconia do evangelho, prepare-se, desde já, pois haverá sofrimento alegre em sua vida; um sofrimento agradável.

→ Embora tenha sido prisioneiro por cerca de dois anos em Cesareia e dois anos em Roma, Paulo não se considerava como sendo prisioneiro de qualquer governo ou pessoa. Em vez disso, ele sabia que estava sob o controle de Cristo, e que todos os aspectos de sua vida estavam nas mãos do Senhor.

v.2 – 13
→ Nessa passagem parentética, Paulo interrompeu o pensamento iniciado no v.1 para salientar novamente e detalhar as verdades que ele havia acabado de escrever. Ele foi constrangido a afirmar a sua autoridade para ensinar a unidade do judeu e do gentio em Cristo (vs 2-7), uma nova e poderosa verdade que a maioria dos efésios sem dúvida achava difícil de compreender ou aceitar.

v.2
DISPENSAÇÃO DA GRAÇA DE DEUS
                                                                                                                                                         
PALAVRA CHAVE: OIKONOMOS
→ Significado literal: dispenseiro
→ Particularmente, era um escravo que tinha autoridade sobre outros servos ou escravos de uma família para designar as suas tarefas e suas porções de alimentos. Juntamente com essa função, estava a administração geral de assuntos e contas.

Exemplos:
 O Senhor respondeu: Qual é o administrador fiel e prudente, que o senhor encarregará dos seus servos para lhes dar alimento no tempo certo? (Lc 12:42)

→ Além disso, o que se requer de pessoas assim encarregadas é que sejam encontradas fiéis. (1Co 4:2)
                                                                                                                                                 

→ Se olharmos Ef 4:7 ’A graça foi concedida a cada um de nós conforme a medida do dom de Cristo’, encontraremos repetida a mesma palavra: a graça foi concedida a cada um, não apenas aos apóstolos e profetas que formaram a primeira fileira de pedras da Casa do Senhor, mas a todas as pedras vivas que edificam essa Casa. Todos nós temos o privilégio da dispensação (oikonomos), o privilégio de sermos transmissores da riqueza e da glória do Senhor.

v.3 SEGUNDO UMA REVELAÇÃO
                                                                                                                                                   

PALAVRA CHAVE: apokalypsis
 O termo grego traduzido como revelação é apokalypsis que metaforicamente pode ser utilizado:
I) Acerca da remoção do véu da ignorância e da escuridão pela transmissão da luz e do conhecimento, iluminação (cf. Lc 2:32).
II) No sentido de revelação, descoberta, manifestação (cf. Rm 2:5). Referindo-se àquilo
que era desconhecido e oculto, especialmente os mistérios, propósitos, doutrinas divinos (cf. Rm 16:25 ; 1Co 14.6-26).
                                                                                                                                                    
→ Tudo o que o homem sabe acerca de Deus e seus propósitos é porque Deus o revelou.

v.4
MISTÉRIO DE CRISTO
→ Havia muitas coisas escondidas no AT que foram reveladas posteriormente no NT que são chamadas de mistérios.

→ Agora Deus revela que os gentios são coerdeiros, membros do mesmo corpo e coparticipantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho (v.6).
→ Paulo não somente escreveu a respeito do mistério que, em Cristo, judeu e gentio se tornam um na visão de Deus, no seu reino e na sua família, como também explicou e esclareceu essa verdade. O que não é entendido corretamente não pode ser aplicado corretamente.

v.5  NÃO FOI DADO A CONHECER
→ Paulo revelou a verdade que nem mesmo os maiores profetas compreenderam: que na igreja, composta de todos os salvos desde o Pentecostes em um corpo unido, não haveria distinções raciais, sociais ou espirituais.

V.6
→ Em outras gerações (v.5) não foi dado a conhecer tão grande mistério, que permaneceu em segredo no coração de Deus, mas que agora foi revelado ao apóstolo Paulo. E ele, como pioneiro dessa graça, com três palavras vem agora desvendar o maravilhoso projeto que Deus tem para este mundo.

CO-HERDEIROS
→  Como Abraão, Isaque, Jacó, Gideão, José e todos os santos do Antigo Testamento, nós gentios (antigos pagãos, cf.Ef 2.1-10), agora somos co herdeiros de toda herança da cidade celestial.
→ Em Romanos, Paulo refletiu sobre a maneira não natural pela qual Deus inclui os gentios entre o povo de Deus: eles eram um ramo bravo enxertado (contrário à prática normal da agricultura) numa oliveira cultivada (Rm 11.11-24). Ao afirmar que em Cristo os gentios compartilham privilégios idênticos aos dos judeus, Paulo demonstrou a profundidade desse enxerto.

MEMBROS DO MESMO CORPO
→ Membros do mesmo corpo é ser ‘’co-incorporado’’, isto é, sentir a força vital do corpo de Cristo que os santos do passado sentiram.

COPARTICIPANTES
→ Significa que os gentios, que antes não tinham a Bíblia nem os oráculos de Deus, e estavam sem Cristo, o Mediador das promessas de Deus, agora por meio da Sua palavra recebem essas promessas, sendo co-participantes de Cristo, juntamente com todos os benefícios por Ele concedido, agora e eternamente.

*A ideia original de diaconia: aquele que entra na cozinha e recebe os pratos já preparados e os oferece para os famintos.

v.7
CONSTITUÍDO MINISTRO

→ Nenhum homem pode fazer a ele próprio ministro de Deus, porque o chamado, a mensagem e o poder para o genuíno ministério para Deus e por Deus são privilégios que somente ele pode conceder.
→ A palavra grega utilizada no original é diakonos  que pode ser traduzida como diácono, ministro ou servo. Utilizando-se dessa palavra, mais uma vez o apóstolo demonstra tamanha humildade ao reconhecer que é somente um servo utilizado por Deus.

v.8
O MENOR DE TODOS OS SANTOS

→ À luz da perfeita justiça de Deus, a avaliação de Paulo a respeito dele mesmo não era falsa humildade, mas simples honestidade. Ele conhecia a sua indignidade.

ME FOI DADA ESTA GRAÇA
→ À todo instante, o apóstolo enfatiza aos seus leitores que tudo o que possui foi-lhe dado por Deus, ele não conquistou, simplesmente recebe pela graça de Deus.

→ No versículo 2 ele diz que lhe foi confiada a dispensação da graça de Deus, logo em seguida no versículo 3 diz que lhe foi dada uma revelação que lhe permitia conhecer o mistério de Deus que estava oculto. No versículo 7 ele diz que foi constituído ministro por Deus e agora no versículo 8, mais uma vez ele deixa claro que foi-lhe dado, pela graça de Deus, o privilégio de anunciar a mensagem do evangelho aos gentios.
→ Tudo o que Paulo possui foi-lhe dado por Deus.

v.10

PELA IGREJA … SE TORNE CONHECIDA
→ Como diz uma famosa citação de Mark Dever, a igreja é o evangelho visível diante da sociedade. Somente a igreja, o corpo de Cristo, é capaz de manifestar ao mundo perdido a maravilhosa graça de Deus que salva o pecador, a misericordiosa justiça de Deus que entregou o Seu único Filho como sacrifício devido aos nossos pecados, o infinito amor de Deus que nos amou quando ainda o rejeitávamos. Somente a igreja é capaz de revelar ao mundo a multiforme sabedoria de Deus revelada numa cruz.

PRINCIPADOS E POTESTADES

→ Os anjos, tanto os santos como os perversos. Deus, por meio da igreja, manifesta a sua glória para todos os anjos. Os anjos santos se regozijam (Lc 15:10 ; 1Pe 1:12) porque são envolvidos com a igreja. Apesar de não terem o desejo de louvar a Deus, e nem a capacidade para isso, mesmo os anjos caídos veem a glória de Deus na salvação e na preservação da igreja.

v.11
ETERNO PROPÓSITO

→ O propósito supremo da igreja é glorificar a Deus, o que inclui demonstrar a sua sabedoria, poder, graça, santidade.

v.12
ACESSO COM CONFIANÇA

 Todo pecador que recebe a Cristo, mediante a fé, pode colocar-se diante do trono da graça de Deus a qualquer momento, não por confiar em si mesmo, mas por confiar em Cristo Jesus.
→ Em Cristo Jesus, Deus nos concede vida. Em Cristo, mostra-nos o caminho para o Pai. Em Cristo, permite-nos termos livre acesso à presença do Pai.

Portanto, aproximemos-nos com confiança do trono da graça, para que recebamos misericórdia e encontramos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno. (Hebreus 4:16)

v.13
NÃO VOS DESANIMEIS POR CAUSA DAS MINHAS TRIBULAÇÕES
→  Paulo faz parte do corpo de Cristo que se estende de Roma até a Ásia. Os sofrimentos de Paulo são os sofrimentos daqueles cristãos; sua prisão em Roma é a prisão deles; tudo que acontece a Paulo está acontecendo com todo o corpo, já que uma parte não pode sofrer sozinha.
→  Pensemos um instante em nossos irmãos que sofrem perseguição por causa do evangelho em países onde o cristianismo é proibido. Devemos nos dedicar à intercessão por aqueles irmãos. A experiência dos que visitam os crentes presos, sofrendo e sendo torturados em outros países confirma que o que mais os anima é saber que nós estamos pensando neles, sentindo os seus sofrimentos e intercedendo sempre, para que o alívio e o conforto do Espírito Santo lhes sejam sempre concedidos.

Fontes
● Bíblia de Estudo MacArthur
● Bíblia de Estudo Palavras Chave
● Programa The Word
● Russell Shedd & Dewey Mulholland – Epístolas da Prisão, Editora Vida Nova